Áfricas - A NOSSA agência de noticia preta

Sabado, 24 de Fevereiro de 2024

Educação

Literatura que transforma: executivos indicam livros que promovem letramento racial

Repórter JB
Por Repórter JB
/ 142 acessos
Literatura que transforma: executivos indicam livros que promovem letramento racial
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

BAIXE agora o APP Áfricas  [ CLIQUE  AQUI ]
Siga nosso NOVO CANAL no WhatsApp 
Siga-nos no Instagram

No mês de novembro comemora-se o Dia da Consciência Negra - data que relembra a morte de Zumbi de Palmares, líder do Quilombo de Palmares, em 1695. Na ocasião, os movimentos negros, sindicatos e diversas organizações se reuniram para exigir ações concretas de políticas públicas de combate ao racismo.

Embora o último censo realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) aponte que 56,1% dos brasileiros se declaram negros, o preconceito racial ainda é um problema enfrentado por milhões de pessoas. Algumas ações, como o letramento racial, auxiliam na desconstrução das formas de pensar e agir naturalizadas e normalizadas socialmente.

Pensando nisso, alguns executivos indicaram livros com autores e protagonistas negros, que impactaram em suas trajetórias profissionais. Confira:

Publicidade

Leia Também:

Um defeito de cor, de Ana Maria Gonçalves 

Indicado por Natália Paiva, diretora executiva do Mover (Movimento pela Equidade Racial), o livro aborda um  romance histórico que conta a história de uma africana, idosa, cega e à beira da morte, que viaja da África para o Brasil em busca de um filho perdido. Durante a jornada relata sua vida marcada por violência e escravidão. 

 

Raízes, de Alex Haley

Publicado pela primeira vez em 1976, o livro sugerido por Rodrigo Faustino, Cofundador da Ebony English, retrata a história de Kunta Kinte, um africano do século XVIII, capturado ainda na adolescência, vendido como escravo na África, transportado para a América do Norte, seguindo sua vida e a vida de seus descendentes nos Estados Unidos até Haley.

Meio Sol Amarelo, de Chimamanda Ngozi Adichie

O livro indicado pela Elisângela Almeida, cofundadora do Conselheira 101, retrata a guerra da independência de Biafra na Nigéria, com foco em cinco personagens negros, que se impõem e contrapõem nesse conflito. A obra é baseada em fatos reais transcorridos na década de 1960 e foi vencedor do National Book Critics Circle Award e do Orange Prize de ficção em 2007.

Racismo Estrutural, de Silvio Almeida e Djamila Ribeiro 

Indicado por Gilberto Costa, diretor executivo do Pacto de Promoção Pela Equidade Racial, o livro apresenta dados estatísticos e discute como o racismo se reverbera na estrutura social, política e econômica da sociedade brasileira.

Tudo sobre o amor: novas perspectivas, de Bell Hooks

A indicação do livro feita por Luana Corrêa, gerente de comunicação da Mais Diversidade, retrata como a experiência do amor e de amar pode ser ressignificada e também aborda bastante a perspectiva de mulheres negras nessas relações de afeto. 

 

Comentários:
Repórter JB

Publicado por:

Repórter JB

Colaborador(a)

Saiba Mais