Áfricas - A NOSSA agência de noticia preta

Quinta-feira, 18 de Julho de 2024

Cotidiano

Mãe de Pelé, Celeste Arantes, morre aos 101 anos

Washington Andrade
Por Washington Andrade
/ 140 acessos
Mãe de Pelé, Celeste Arantes, morre aos 101 anos
Celeste Arantes, mãe de Pelé (Reprodução/ Arquivo A Tribuna)
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

BAIXE agora o APP Áfricas  [ CLIQUE  AQUI ]
Siga nosso NOVO CANAL no WhatsApp 
Siga-nos no Instagram

Morre Celeste Arantes, mãe de Pelé, aos 101 anos

Uma notícia triste tomou conta das redes sociais na tarde de sexta-feira, 21 de junho: a mãe de Pelé, Dona Celeste Arantes, morreu aos 101 anos, em Santos, no litoral de São Paulo. O ex-craque do futebol faleceu no final de 2022.

Biografia de Celeste Arantes

Celeste Arantes, a mãe de Edson Arantes do Nascimento, o Rei Pelé, era mineira de Três Corações e teve três filhos: Pelé, Jair (Zoca) e a caçula Maria Lúcia, responsável pelos seus cuidados. O g1 apurou que Celeste estava hospitalizada há 8 dias, mas a causa da morte ainda não foi informada.

Todos os filhos de Dona Celeste foram frutos do relacionamento com João Ramos do Nascimento, o Dondinho, com quem ela foi casada até 1996, ano de sua morte.

Publicidade

Leia Também:

Homenagem de Pelé

Pouco antes de Pelé morrer, aos 82 anos, ele prestou uma homenagem aos 100 anos da mãe, em 20 de novembro de 2022, dia da abertura da Copa do Mundo no Catar.

Em suas redes sociais, Pelé agradeceu à Dona Celeste pelos ensinamentos ao longo da vida. "Desde criancinha, ela me ensinou o valor do amor e da paz. Eu tenho muito mais de uma centena de motivos para agradecer por ser o seu filho. Compartilho essas fotos com vocês, com muita emoção por celebrar este dia. Obrigado por todos os dias ao seu lado, mãe", escreveu Pelé.

Resistência ao Futebol

Dona Celeste sempre desejou que Pelé, ou melhor, Dico, fosse um bom filho e uma boa pessoa. Apesar de passagens por clubes como Atlético/MG e Bauru Atlético Clube, a carreira do pai do Rei do Futebol não foi longeva devido a contusões, e ela tinha resistência em ver Pelé seguir a carreira no futebol.

Para convencê-la, foi necessário muito trabalho por parte de Dondinho e Waldemar de Brito, que o levou para o Santos em 1956. A família só deixou Bauru para morar em Santos oito anos depois, em 1964.

Cortejo e Homenagem

O cortejo com o carro dos bombeiros que levou o corpo de Pelé pelas ruas de Santos parou na porta da casa de Dona Celeste, em uma homenagem emocionante que reuniu milhares de pessoas, em 3 de janeiro de 2023. Por conta de questões de saúde, Dona Celeste, de 100 anos, não participou do velório na Vila Belmiro.

(Matéria em atualização)

Comentários:
Washington Andrade

Publicado por:

Washington Andrade

CEO do ÁFRICAS e Jornalista

Saiba Mais