Áfricas - Sua fonte de notícias da comunidade negra

Escritor finalista do Prêmio Jabuti, Alê Garcia  lança

Cultura

Escritor finalista do Prêmio Jabuti, Alê Garcia lança "Negros Gigantes", na Bienal

Em novo livro, autor conta histórias inéditas do próprio passado e homenageia heróis brasileiros e internacionais

IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

Créditos: Victor Ferreira Vivacqua

 

Escritor finalista do Prêmio Jabuti, palestrante, apresentador do Omelete, um dos 20 creators negros mais inovadores do país – segundo a Forbes – e criador do podcast "Negro da Semana", que já fez parceria com marcas como Bradesco, Leroy Merlin e Nívea, Alê Garcia brinda os leitores com o livro "Negros Gigantes", na  26ª Bienal Internacional do Livro, no próximo sábado, 09 de julho. 

A obra é um mergulho na vida do autor e na de personalidades que o inspiram e o empoderam. São histórias marcadas pelo colonialismo enraizado, insistente em querer determinar onde ele devia ou não estar e o que cabia ou não realizar. Por ironia do destino, o lançamento da obra "Negros Gigantes" acontecerá em uma edição da Bienal em que a literatura Portuguesa será homenageada. 

Marilene Felinto, colunista da Folha de São Paulo, foi certeira ao questionar: "a justa homenagem, para a ocasião, não seria à literatura de países africanos de expressão portuguesa? Por que homenagear o narrador e não a narrativa literária dos povos sacrificados pela colonização?". O ator Lázaro Ramos e também autor de "Minha Pele" –  sobre racismo, respeito às diferenças, consciência individual e coletiva, formação de identidade, família, gênero – marcou presença no evento e destacou suas obras infantis e a importância que a literatura infantil tem sobre as crianças brasileiras em um país diverso.

Assim como a presença de Lázaro, a obra de Alê Garcia também será um contraponto nesta edição em que o protagonismo é branco e europeu. "O processo de escrita deste livro, não posso negar, foi mais doloroso do que imaginei. Pois foi um mergulho em lembranças duras demais, vividas por um Alê então criança. Afinal, qual a idade aceitável para um garoto negro descobrir que provoca aversão? Por isso, é preciso nunca esquecer a força que as narrativas têm. Quantas mensagens já recebi de ouvintes, emocionados com as histórias que conto no podcast Negro da Semana? Do menino da periferia feliz ao saber que, por causa da música, Sabotage saiu da criminalidade. Da senhora de idade incrédula com a vida sofrida que Elza Soares teve até se tornar uma das cem maiores vozes do mundo”, compartilha o autor. 

Os gigantes retratados na obra lançada pela editora Latitude assumiram os próprios tronos e venceram preconceitos. “Eles mostraram como os negros podem ser protagonistas e que todos temos lugares a ocupar”, afirma Alê. Entre heróis e heroínas perfilados estão Lázaro Ramos, Elza Soares, Mano Brown, Martin Luther King, Chadwick Boseman, Emicida, entre outros. 

A infância na periferia de Porto Alegre está entre as histórias que Alê conta sobre o passado. A Restinga, bairro da capital gaúcha, foi criado nos anos 1970 para “abrigar e tornar invisíveis mulheres e homens negros que vinham do interior”, como retrata no livro. 

Felizmente, na década de 1980 e nas seguintes, a comunidade da Restinga se organizou e se projetou para um lugar muito distante disso. Tornou-se uma das comunidades essencialmente negras mais importantes do Brasil. [...] Reduto da resistência política, de líderes locais que influenciaram e influenciam as eleições municipais. Um exemplo de autossuficiência, empoderamento e evolução. E foi nesse lugar, entre livros, discos e amigos, que forjei parte fundamental de quem sou. (Negros Gigantes, p. 16 e 17)

Negros Gigantes conta com prefácio do escritor Paulo Scott, vencedor do prêmio Machado de Assis, APCA e finalista do prêmio São Paulo de Literatura, entre outros, que afirma “Este livro é descomunal, é sensível, acessível, necessário. Este livro é um feito. (...) Temos aqui um marco da literatura não-ficcional.” Quem também endossa a obra é Rodrigo França, uma das principais referências de ativismo pelos direitos civis, sociais e políticos da população negra no Brasil. “Alê se olha no espelho e se enxerga nos seus e nas suas, principalmente na potência. (...) Nosso autor nos convida, com muita generosidade, a sermos leões protagonistas da nossa própria história, porque modelos para nos inspirar nós temos. E muitos!”, afirma o cientista social, filósofo, dramaturgo e escritor. 

"Eu escrevo sobre negritude porque é transcendente para mim. Eu me dou conta disso a cada segundo, emocionado com nossas conquistas e realizações. E o que me motiva a criar mais um podcast, mais uma série de vídeos, mais um livro, é que você também sinta esta transcendência. Este é o grande objetivo de estar lançando Negros Gigantes: as personalidades que me trouxeram até aqui. Revisitar a minha trajetória, apresentar a história daqueles que me impulsionaram — desde os meus dez anos de idade, até hoje — e registrar isso: para que estas histórias sejam motivadoras e potencializadoras de outras grandes histórias”, conclui Garcia. 

FONTE/CRÉDITOS: GRIOT ASSESSORIA
FONTE/CRÉDITOS (IMAGEM DE CAPA): Victor Ferreira Vivacqua
Comentários:

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )